09/01/2014

Eleições Fieb: Mascarenhas responde declarações de Gilberto Farias

Após entrevista na [B+], José Mascarenhas afirma que Gilberto Farias demonstrou total desconhecimento do sistema Fieb e do trabalho que vem sendo realizado pela atual diretoria.



José de Freitas Mascarenhas, atual presidente da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb), divulgou uma carta de esclarecimento ao diretores da federação e presidentes de Sindicatos da Indústria do Estado da Bahia respondendo às declarações de Carlos Gilberto Farias, em entrevista publicada na edição 21 da Revista [B+]. Mascarenhas afirma que Gilberto Farias demonstrou total desconhecimento do sistema Fieb e do trabalho que vem sendo realizado pela atual diretoria.

A eleição será realizada no dia 28 de janeiro de 2014, quando os 41 presidentes de sindicatos patronais afiliados à Fieb definirão a nova diretoria.
 
Leia a carta na íntegra:
 

Venho, por meio deste documento, esclarecer alguns pontos colocados pelo Sr. Carlos Gilberto Farias em recente entrevista à revista [B+], que em suas declarações demonstrou total desconhecimento do sistema FIEB e do trabalho que vem sendo realizado pela diretoria, da qual, inclusive, ele faz parte. A direção da Federação das Indústrias do Estado da Bahia e seus colaboradores merecem nosso respeito. Não podemos admitir que a FIEB seja exposta diante de uma completa falta de informação que revela, no mínimo, descaso em relação à Entidade, cujo papel é fundamental e decisivo para o desenvolvimento da indústria e da economia baiana. Na condição de presidente da FIEB tenho, portanto, o dever de prestar os seguintes esclarecimentos e trazer a verdade sobre algumas questões abordadas na entrevista.
 
 
DESINFORMACAO:
01. “é fundamental (o SENAI) também preparar destiladores, caldeireiros, soldadores, mineiros, carpinteiros.”
 
VERDADE:
Fica ele convidado a visitar as unidades do SENAI na Capital (Dendezeiros, Cimatec) e no interior, para verificar quais são as profissões para as quais foram preenchidas 117.962 matrículas no ano de 2013 (40.000 no Pronatec) em 96 municípios do Estado, para qualificações, aperfeiçoamentos e cursos técnicos. Vale não perder de vista que essa é a missão básica do SENAI.
 
 
DESINFORMACAO:
02.   “Em Maracás, no sudoeste, a Largo vai dar partida, em fevereiro, na sua planta de vanádio.... Qual o papel da FIEB neste processo? O mesmo pode-se falar sobre o polo de Bebidas em Alagoinhas”.
 
VERDADE:
Quanto à Largo, o SENAI preparou Projeto para qualificação dos seus profissionais nas mesmas bases de outras que já o implementaram, e  vem negociando com a empresa há três anos. Ela ainda não aceitou os termos propostos, o que é um direito seu, certamente porque deve estar contando com outra solução para a qualificação dos seus profissionais. É caso incomum, porque o SENAI vem realizando qualificação de profissionais até no exterior. O SENAI segue o compromisso estabelecido pela FIEB de não permitir que nenhuma empresa deixe de se instalar na Bahia por falta de pessoal qualificado.
 
Já em Alagoinhas, em 2013, o SENAI desenvolveu atividades com 35 turmas e 1.332 alunos. Em 2014, estão previstas 49 novas turmas atingindo um total de 5.390 matriculas. Adicionalmente está se expandindo na cidade com a preparação de novo espaço a ser concluído em fevereiro de 2014, com 20 salas de aula e 4 laboratórios.  O SESI, que atendeu 19 empresas no município, em 2013, igualmente já tem pronto projeto para aumento da sua atuação na região, com o objetivo de melhor atender as empresas locais a partir de 2014.
DESINFORMACAO:
03.   “Quanto ao Cimatec....vamos...levar ao interior”.
 
VERDADE:
Em outra oportunidade já afirmou que levaria o Cimatec para várias cidades do interior do Estado. Isso revela o completo desconhecimento conceitual do que seja o Cimatec. Este centro é de instalação complexa e cara, que depende da escala das demandas de serviços que possam proporcionar receitas para a sua sobrevivência, de vez que tem custos altos e não pode ser suportado apenas pelos recursos do recolhimento compulsório. No Estado da Bahia racionalmente só cabe um Cimatec, com o detalhe que algumas das suas unidades especializadas serão únicas no país.
 
Quando há demanda em escala como no caso do Polo de Informática de Ilhéus, se planeja, como está projetada pelo SENAI e financiada pelo BNDES, uma unidade especializada em desenvolvimento de pesquisas, denominada Instituto SENAI de Tecnologia, no caso em Eletroeletrônica, que trabalhará em parceria com o Cimatec e a Escola Técnica do Sul.
 
Instalar unidades do CIMATEC no interior a granel é, no mínimo, uma heresia econômica, reveladora da incapacidade de entender o que é esse projeto.
 
 
DESINFORMACAO:
04.   “A instituição começa a montar o supercomputador da América do Sul, mas não mantem nenhuma sinergia como o Polo de Informática de Ilhéus.”
 
VERDADE:
Certamente ele não quis dizer que o supercomputador é da América do Sul, mas sim “o maior da América Latina”. E não é apenas um, mas como, aliás, foi amplamente divulgado, são dois os supercomputadores. Esclarecendo: o Centro de Supercomputação do SENAI vai trabalhar para todas as empresas do Estado: micro, pequenas, médias e grandes a depender da demanda que cada uma apresente. Certamente vai ajudar mais intensamente as menores, pois muitas das maiores têm seus centros próprios de computação.
 
E mais, o Polo de Informática de Ilhéus está passando por uma verdadeira transformação a partir das intervenções da FIEB nos últimos anos,  que: a) sugeriu aos seus empresários  a criação uma Associação que  os congregasse para que assim fosse estabelecido um canal de diálogo ordenado com todos. E assim foi criada a ASSIPI - Associação  das Indústrias de EletrônIcos, Telecomunicações e Informática do Polo de Ilhéus; b) contratou a elaboração de um Plano Estratégico para o Polo o qual foi apresentado em reunião de Diretoria da FIEB e está disponível para consultas; c) proporcionou a ampliação das instalações do SENAI local, onde mantém 80 colaboradores, que treinaram 9.500 jovens em 2013. Atua na região, na linha de serviços técnicos, há cerca de 4 anos onde mantem  equipe de 15 colaboradores, que  desenvolvem 6 projetos de pesquisa para as empresas locais; d) introduziu no Contrato Geral da CNI com o BNDES a construção do Instituto SENAI de Tecnologia, como já informado, a ser instalado  em área adquirida entre  Ilhéus e  Itabuna. No momento o projeto executivo está concluído e, após o período de análise e licitação, deverá ter as obras iniciadas em julho de 2014; e) no recente acordo do SENAI com a INTEL, parceria de elevado conteúdo estratégico, das quatro linhas acordadas com a empresa para desenvolvimento de estudos, uma delas é relativa explicitamente ao Polo de Informática de Ilhéus; f) na recente organização que irá cuidar do desenvolvimento da politica de TIC na Bahia assegurou, através da ASSIPI, a presença do Polo de Ilhéus.
 
Toda a base montada no Cimatec irá atender a essa organização, incluindo o Centro de Supercomputação.
 
 
DESINFORMACAO:
05.   “Por desconhecimento (sic), a atual direção da FIEB não dá a devida atenção a importantes segmentos que tomaram impulso nos últimos anos, como a mineração e a energia eólica...”
 
VERDADE:
Afirmações irresponsáveis e lastimáveis, pois no que tange à energia eólica, há cerca de dois anos  a FIEB e o SENAI divulgaram a decisão de  estabelecer um centro de excelência em energia eólica no Cimatec. No curso desse projeto o SENAI: a) vem trabalhando junto ao Departamento Nacional que contratou a GiZ (órgão alemão de Cooperação Técnica) na formulação dos perfis funcionais dos operadores de equipamentos e pessoal de manutenção da cadeia eólica. b) Foi contratado pelas Secretarias de Infraestrutura e Tecnologia do Estado da Bahia para elaborar  o  Mapa Eólico do Estado. A primeira parte do levantamento inédito já foi concluída e o Governador Jaques Wagner fez o seu lançamento em São Paulo. Recentemente foram contratadas, por R$ 960 mil, torres anemométricas  para medições mais precisas a 150m e com isso o Estado vai dispor de excelente material para atração de investidores no setor. c) Em junho de 2013, assinamos contrato na Alemanha com o Instituto Fraunhofer IWES, de Bremen, para atendimento, em parceria com o SENAI, de empresas brasileiras da área de energia eólica. As áreas cobertas serão as de Projeto, Aerodinâmica, Simulação e Testes. O IWES também está ajudando o SENAI na elaboração do Centro de Excelência, para o qual já foi identificado especialista que virá trabalhar na Bahia, no primeiro trimestre de 2014.
 
Na área de Mineração, o  SENAI:  a) vem trabalhando com várias empresas do Estado, principalmente na capacitação do seu pessoal, a saber: Bamin, INB, Yamana, Ferbasa, Caraiba Metais e outras. b) Termina em 2014 o Roadmap  Tecnológico que servirá de orientação para atendimento ao setor no Estado, com a colaboração da Vale, Mineração Caraíba, CBPM, Braskem (salgema), Pedreira Civil e outras. c) Na área da Embrapii desenvolve pesquisa para a Votorantim com cerca de 10 projetos de inovação, com outros em negociação  d) e, finalmente, já concluiu que seu Centro de Desenvolvimento da Mineração deverá se localizar em Feira de Santana, para onde já deslocou técnicos que estavam na Unidade de Dendezeiros.

É de se salientar que o Dr. Carlos Gilberto é Vice Presidente da FIEB, frequenta as suas Reuniões de Diretoria onde esses assuntos são informados e independente disso ele, como qualquer Diretor do Sistema pode solicitar as informações que desejar, para melhor respaldar suas declarações. É só querer.

Comentários

Outras matérias

17/12/2014

João P. Bahiana: combate a êxodo rural e articulação política serão metas

Presidente eleito da AJE Bahia, que tomará posse em 5 de fevereiro do ano que vem, também afirma que uma das prioridades será tornar levar o empreendedorismo a todas as classes

12/12/2014

Por que o branding é importante para as organizações?

Por que o branding é importante para as organizações?

19/10/2014

“A Bahia não pode viver de espasmos de crescimento”

Em entrevista à [B+], o governador eleito Rui Costa (PT) afirma que interiorizar o desenvolvimento econômico do estado será uma das principais metas do novo governo

05/06/2014

“O estereótipo de que o baiano não é bom para prestar serviços não passa de ignorância”

Autor de artigos sobre racismo, o antropólogo e professor Ordep Serra atribui o mau serviço prestado na Bahia à falta de investimento na educação técnica